Dedo podre

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

            Alguns adolescentes vêm ao meu consultório reclamar que tem dedo podre e que não vão conseguir nunca uma pessoa ideal. O que eu faço? COFIRMO! Realmente, a pessoa ideal nunca irá aparecer, até porque se aparecer, passará à concretude, deixando de ser idealizada e se sujeitando à vivência diária de um relacionamento real que tem, mais do que acertos, erros.

            Seguindo o tema, a única resposta viável à queixa é que foi a própria pessoa que “apontou seu dedo a alguém”; foi ela quem escolheu. Assim, nada mais se concretiza além de sua escolha pessoal. Revela-se então seu desejo mais profundo: sim, às vezes escolhemos barcos furados… inclusive para testar nossa capacidade de nadar ou remar.

            Quando falamos em dedo podre, estamos falando de um processo de escolhas. A quantas anda o que vc deseja? Essa é a grande pergunta. No ímpeto de não estar só, acabamos aceitando “o que vier”, sem que isso passe por um crivo específico. Muitas vezes, é uma tentativa de preencher um buraco afetivo, seja uma sensação de abandono ou perda – um vazio que corrói por dentro.

            A noção de que outra pessoa pode me completar ou me deixar satisfeito emocionalmente remonta à ideia de que existe uma cara metade, quando na verdade, não é bem assim. O que temos são relações duradouras, nas quais as pessoas se consideram, em sua duplicidade, ou seja, aceitam os dois lados do parceiro. Esse apreço à individualidade não deve ser chamado de cara metade, mas sim de RESPEITO!

            Os relacionamentos são cheios de demandas. A maioria das pessoas espera algo do parceiro, sem saber realmente o que deseja. Esse excesso de cobranças acaba levando os relacionamentos para um buraco sem fundo, onde não há espaço para satisfação ou prazeres, que são sempre sufocados por exigências e reivindicações, cada vez mais difíceis de serem cumpridas.

            Por fim, o dedo podre está em não saber o que realmente podemos oferecer, gratuitamente, ao outro. Quando me conheço, não tenho medo de me entregar de corpo e alma, eliminando quaisquer expectativas que excedam o que realmente sou. O verdadeiro encontro de “almas gêmeas” se dá quando existe um outro também disposto a essa exposição emocional, muitas vezes sofrida, mas ao mesmo tempo, berço de inúmeras possibilidades de cura.

Danilo Suassuna

Foto de Designecologist no Pexels

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Luto Gestacional

Uma mãe entra em trabalho de parto prematuro E depois de muito tentar Não consegue “segurar” o bebê. O tempo de Deus. O tempo que

Leia mais »

Como sair do Burnout

Falar de burnout parece coisa batida, mas é preciso reforçar a linha tênue entre o stress vantajoso e o que se torna tóxico. A realidade

Leia mais »